A importância da participação dos pais nas atividades diárias de seu bebê hospitalizado: o momento do banho em foco

Sabe-se o quanto o contato diário/íntimo e a participação ativa dos pais com o prematuro em fase de hospitalização favorecem o vínculo afetivo profundo e duradouro entre eles, gerando muitos benefícios para o crescimento e desenvolvimento do bebê; além de prevenir a ocorrência de muitos transtornos psíquicos em uma mãe e pai prematuros. 1,2,3,4,5,6,7,8,9,19

 Várias pesquisas já verificaram o efeito direto entre a presença diária e constante dos pais em UTI Neonatal/Pediátrica com uma melhora significativa do prematuro em relação à sobrevivência, ganho de peso, menores taxas de infecção, segurança, alimentação, sono e às especificidades clínicas- sensório-motoras e percepto-cognitivas- que muitos prematuros podem vir a apresentar a curto ou a longo prazo. 1,2,3,4,5,6,7,8,9,19

  No período de internação em uma UTI, dentre os diversos recursos utilizados pela equipe profissional estão estratégias que envolvem a interação afetiva e sensorial mãe/pai-bebê. 1,2,3,4,5,6,7,8,9 A presença dos pais no momento do banho de seu filho, por exemplo, é um grande recurso terapêutico para gerar conforto emocional e sensorial para o prematuro, justamente, por perceber o toque profundo das mãos, o cheiro, a voz e a presença dos pais. 9,14,15,16,20 

O bebê é um grande órgão sensorial e ele capta as informações do ambiente externo pelos seus sentidos, especialmente pelo sistema tátil profundo, tão potencializado quando o bebê é tocado e acariciado pelas próprias mãos de seus pais. 9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20   Todo esse contexto de participação e união entre equipe e pais, além de possibilitar maior homeostase fisiológica ao prematuro, traz aos pais o sentimento de competência dos mesmos no cuidado diário com seus filhos. 7,8,9,18

A ciência já afirma que é, justamente, pelo contato físico, íntimo e afetivo que estabelecemos a primeira forma de interação, diálogo e comunicação entre pais e bebês. 5,6,7,8,13,15,16  Poder ter todo esse contato íntimo nas atividades diárias de uma UTI,  sentir a textura da pele e do cabelo de um filho, assim como sentir o seu cheiro após o banho são experiências esperadas por toda mãe e pai de UTI Neonatal/ Pediátrica. O primeiro banho de um filho prematuro, a primeira troca de fralda, o primeiro lacinho, a primeira chupeta, a primeira lixinha de unha, a primeira meia, o primeiro body…  nenhum pai jamais se esquecerá. São vivências que também vão ocorrer em uma UTI e se tornarem eternas recordações, exatamente porque são experiências cheias de afeto, sonhos e desejos, as quais garantem a  ESPERANÇA, PERSEVERANÇA, VIDA e todos os fundamentos da HUMANIZAÇAO dentro de um contexto hospitalar. 

Referências Bibliográficas

1.    Brito, M. H. P.; Paula, V. L.M. Um perfil da mãe prematura. In: Megalço Rosely Gazire (org). A ética na atenção ao bebê: Psicanálise- Saúde- Educação, São Paulo, Casa do Psicólogo , 2006, 115-123. 

2.    Ronchi JP, Avellar LZ. Família e ciclo vital: a fase de aquisição. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, p. 211-225, ago. 2011.

3.    Sluzki, C. A. (1997). A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

4.    Gagliardo, H. G. R. G.; Nobre, M. I. R.; Carvalho, K. M. M. Intervenção precoce ambulatorial: orientação à família. Arq. Bras. Oftal., v. 59, n. 4, 1996.

5.    Field T.; Diego M. A.; Hernandez- Reif M., Deeds O., Figueiredo, B. Moderate versus light pressure massage therapy leads to greater weight gain in preterm infants. Estados Unidos da América, 2006.

6.    Juneau, A. L., Aita, M., Héon, M. Review and critical analysis of massage studies for term and preterm infants. Neonatal Network, vol 34, n 3, 2015.

7.    GAGLIARDO, H. G. R. G., RUAS, T. C.B. A promoção e o acompanhamento do desenvolvimento de um bebê prematuro extremo. In: In: Prematuridade Extrema: Olhares e Experiências, Editora Manole, São Paulo, 2016, p 127- 146.

8.    RUAS, T. C. B; GAGLIARDO, G. R. G. A importância dos pais no momento da alta hospitalar: novas conquistas e experiências. In: Prematuridade Extrema: Olhares e Experiências, Editora Manole, São Paulo, 2016, p 115- 126.

9.    GANNAM, F. F., RUAS, T.C.B. A enfermagem e o fortalecimento do vínculo afetivo entre pais e filho prematuro durante o período de internação. In: Prematuridade Extrema: Olhares e Experiências, Editora Manole, São Paulo, 2016, p 98-108

10.  Xiwen Li., Qingling Z., Longhua T. A meta analysis of the efficacy and safety of using oil massage to promote infant growth. Journal of Pediatric Nursing, 2016.04.003.

11. Nijhof SL1, Vinkers CH2, van Geelen SM3, Duijff SN3, Achterberg EJM4, van der Net J5, Veltkamp RC6, Grootenhuis MA7, van de Putte EM1, Hillegers MHJ8, van der Brug AW9, Wierenga CJ10, Benders MJNL11, Engels RCME12, van der Ent CK9, Vanderschuren LJMJ4, Lesscher HMB13. Healthy play, better coping: The importance of play for the development of children in health and disease. Neurosci Biobehav Rev. 2018 Dec;95:421-429. doi: 10.1016/j.neubiorev.2018.09.024. Epub 2018 Sep 29.

12. Gladstone M1, Phuka J2, Mirdamadi S1, Chidzalo K2, Chitimbe F2, Koenraads M1, Maleta K2. The care, stimulation and nutrition of children from 0-2 in Malawi-Perspectives from caregivers; “Who’s holding the baby?” PLoS One. 2018 Jun 27;13(6):e0199757. doi: 10.1371/journal.pone.0199757. eCollection 2018.

13. Cabrera NJ1, Karberg E1, Malin JL1, Aldoney D2. THE MAGIC OF PLAY: LOW-INCOME MOTHERS’ AND FATHERS’ PLAYFULNESS AND CHILDREN’S EMOTION REGULATION AND VOCABULARY SKILLS. Infant Ment Health J. 2017 Nov;38(6):757-771. doi: 10.1002/imhj.21682. Epub 2017 Nov 3.

14. Harlow, Harry (1958). The Nature of Love. American Psychologist, 13, 673- 685. 

15. CANOTILHO, M. M. Efeitos do Método Mãe- Canguru sobre o desenvolvimento motor de bebês pré-termo extremos. Tese de Doutorado. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2005.

16. Marx V.; Nagy E. Fetal Behavioural Responses to Maternal Voice and Touch. Plos One 10 (6), 2015. 

17. Welch MG, Hofer MA, Brunelli SA, Stark RI, Andrews HF, Austin J et al. 2012.  Family nurture intervention (FNI): methods and treatment protocol of a randomized controlled trial in the NICU. BMC Pediatr 12:14, 2-17.

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta