Banho de balde em UTI Neonatal: uma prática para o bem estar afetivo e sensorial do prematuro

Olá a todos! Espero que estejam todos bem! 

Quando eu e Ana decidimos dialogar aqui sobre os sentidos e as sensações sensoriais e sua grande importância e interferência para o desenvolvimento e aprendizagem infantil, também tínhamos como objetivo central demonstrar não apenas a conceituação teórica, mas também exemplos práticos e diários de atividades, momentos e brincadeiras que os pais pudessem realizar com os seus filhos em casa, no parque, na praia, ou seja, nos diversos ambientes que uma criança pode permear com sua família. 

E como nesse site dialogamos intensamente sobre prematuridade, temos também que gerar exemplos de como os pais e a equipe de uma UTI Neonatal podem gerar experiências sensoriais para esses bebês, ainda que estejam internados, afim de potencializarmos o desenvolvimento e a relação entre pais e filhos em um ambiente com informações, sensações e estímulos tão distintos do que poderíamos oferecer, se os prematuros estivessem no aconchego de seus lares e família. 

No último post, relatamos a importância do sistema vestibular e sua grande interligação com os sistemas visual, auditivo, tátil e proprioceptivo. Vocês se lembram? Para recordarmos retirei algumas frases desse nosso último post: 

¨As estruturas do sistema vestibular ficam localizadas dentro do nosso ouvido interno e ele é responsável por processar as informações de movimento, da ação da gravidade e das mudanças da posição da cabeça em relação ao nosso corpo. É o Sistema Vestibular que nos diz quando nosso corpo está em movimento ou parado, bem como, a direção e a velocidade desse movimento. Ele é quem nos ajuda a estabilizar (parar) nossos olhos enquanto nos movemos e nos diz se os objetos à nossa volta estão em movimento ou não. Mesmo com nossos olhos fechados, graças às ações do Sistema Vestibular, sabemos se o nosso corpo está numa postura horizontal ou vertical ¨. 

¨Por isso, esse sistema é tão importante…ele nos fornece informações sobre o corpo em relação ao que acontece no ambiente e alguns autores denominam o Sistema Vestibular como o “coração das sensações”, porque ele estabelece relações diretas e influencia outras informações sensoriais como os sistemas visual, auditivo, tátil e proprioceptivo. Além de nos dizer sobre o movimento do corpo e do espaço, o sistema vestibular prepara nosso corpo para aprender novos movimentos (novas ações motoras). Precisamos das informações deste sistema para preparar nossa postura, manter o equilíbrio, planejar ações, nos mover, nos acalmar e regular o comportamento ¨. 

E para compreendermos o porquê é tão importante promovermos e acompanharmos o desenvolvimento sensorial dos prematuros, especificamente o vestibular e todas as inter-relações que ele estabelece com os outros sentidos, basta verificarmos que os prematuros extremos nascem sem terem completado experiências intra-uterinas importantes para o refinamento e desenvolvimento dos sistemas sensoriais. 

Sim! Exatamente isso que vocês estão pensando… os nossos sistemas sensoriais não somente são formados, mas começam a sua atividade ainda no ambiente intra- uterino. 

Por exemplo, com 7 meses gestacionais o bebê já consegue chupar o dedo e fazer uma variedade de movimentos de balanceio, mesmo que esteja já com pouco espaço para toda a sua movimentação. E é justamente esse pouco espaço, devido ao seu crescimento e ganho de peso, que o útero acaba sendo um ambiente propício para promover o aumento da pressão tátil – pressão de toque profundo- experiências proprioceptivas e vestibulares durante a movimentação fetal. Por isso, que com 8 meses gestacionais, o bebê consegue processar os seus próprios movimentos e os movimentos de sua mãe, mudando de posição a partir das informações táteis, proprioceptivas e vestibulares que já consegue receber e processar. 

Ao final do 8 mês, o bebê provavelmente irá se estabelecer na posição de cabeça para baixo – posição invertida- , o que possibilita ainda mais sensações de pressões de toque profundo, movimentos resistidos, além de uma grande estimulação de todo o aparelho vestibular. Sim! Ficar na posição invertida é uma expressão de grande atividade vestibular e necessária para o refinamento desse aparelho nesse período intra- útero, por isso o bebê permanecerá o seu último mês nessa mesma posição e se preparando para o seu nascimento. 

E quando pensamos em prematuros extremos que nascem muito antes de terem tido essas experiências e sensações intra-uterinas tão importantes no período de desenvolvimento fetal e que influenciam diretamente em uma melhor maturação e preparação de todo o seu sistema sensorio- motor para a vida extra- uterina? 

Sim! Prematuros extremos, tais como a minha filha, Maitê Maria, nascida de 23 semanas gestacionais e 1 dia e tantos outros bebês que tive a honra de conhecê-los e acompanhá-los, não somente enfrentam um ambiente hospitalar, tendo a dor como uma de suas primeiras sensações, diante, por exemplo, da intubação e entrada venosa de todas as substâncias e medicamentos necessários para a sua sobrevivência, como também nascem sem terem experienciado sensações intra-uterinas fundamentais para a sua preparação para o ambiente extra-uterino. 

Exatamente por todos esses conhecimentos já existentes e validados pela ciência é que os ambientes de UTI Neonatal públicos e privados deveriam ter como um de seus objetivos principais a promoção de momentos e atividades entre bebê e pais, afim de potencializarem a saúde materno- infantil e a homeostase fisiológica do prematuro. 

O Método Canguru, já dialogado em um texto aqui no site e muito exposto em nosso instagran, é um dos métodos mais valiosos e científicos que garantem afeto, acolhimento e muitas sensações sensoriais que potencializam o bem estar fisiológico e emocional do prematuro a curto e a longo prazo. As redes utilizadas em algumas unidades em nosso país é também um outro exemplo de promoção de bem estar sensorial para os pequenos, desde que já estáveis fisiologicamente. Os polvos de crochê podem garantir conforto tátil e maior segurança emocional aos prematuros. Por fim e que apresentarei aqui como uma das preciosas intervenções que podem estimular, especialmente o sistema vestibular e tátil em ambientes de UTI Neonatal: o banho de balde ou também chamado de ofurô. 

O balde é um dos grandes facilitadores para que a criança reviva a posição e a sensação intrauterina, além de proporcionar um bem estar sensorial qualitativo, como pontuado no parágrafo supracitado. As pesquisas ainda estão em fase de andamento para confirmar a importância científica desta atividade para o bem estar fisiológico, neurológico e afetivo da criança. 

Porém, como mãe de prematuro extremo e como profissional de saúde tenho certeza da eficácia deste método. A criança melhora consideravelmente o seu nível de saturação de O2, a sua frequência respiratória, a sua frequência cardíaca, além de ser extremamente prazeroso. O bebê é extremamente sensorial… a sua pele -sistema tátil- é um grande órgão sensorial e sedento por outras sensações, como o toque de carinho, a temperatura da água… sensações totalmente diferentes das dolorosas e típicas de um ambiente de UTI Neonatal. Esse mesmo serzinho sensorial, ao invés de sentir as infinitas manipulações em seu corpo e cabeça, feitas por toda a equipe médica e clínica, poderá sentir aconchego e acalento ao sentir o balanceio do seu corpo e a movimentação de sua cabeça – sistema vestibular- em um ambiente cheio de água, como o uterino. E ainda poderá fazer algumas movimentações livres e espontâneas, especialmente de membros inferiores, ativando receptores proprioceptivos que estão alojados em músculos, tendões e articulações. Pontuei sobre a movimentação dos membros inferiores, porque os acessos venosos e aparelhagem necessária ficam quase todos nos braços e mãos – membros superiores- nesse momento do banho de balde, não podendo ser permitida a livre movimentação desses membros. 

Lembro me claramente do primeiro banho de ofurô de Maitê Maria. Ela tinha 50 dias de vida, ainda entubada e muito instável fisiologicamente. Nunca imaginei que um prematuro intubado pudesse receber o conforto tátil de uma água quentinha, muitas sensações vestibulares, ouvir a voz de sua mãe, sentir o toque das mãos de sua mãe em seu corpo e, portanto, usufruir de um momento marcado pelo prazer e aconchego afetivo e sensorial tanto para o bebê, como para a mãe. 

Guardo a sensação de tocar o corpo de minha filha em seu primeiro banho até hoje. Naquele momento, pude sentir, pela primeira vez, aquele cheirinho de bebê pós- banho. Foi um momento mágico e totalmente inesperado, já que para Maitê Maria ser liberada para o banho de ofurô, toda a equipe médica, de enfermagem e de fisioterapia deveria estar de acordo, além de garantir a presença de um médico, 2 enfermeiras e a fisioterapeuta responsável pelo caso e pelos estudos que comprovavam os benefícios do banho de balde em bebês prematuros extremos, mesmo que ainda entubados e instáveis. 

Porém, equipes preparadas e que são conscientes da eficácia científica de Métodos totalmente humanizados e que só beneficiam o bem estar do binômio mãe-bebê, prezam pela promoção de experiências afetivas, sensoriais e de grande acolhimento e aconchego para os prematuros e suas famílias. 

Assim, como o Método Canguru se tornou um método comprovado e eficaz na neonatologia, torço para que rapidamente as pesquisas comprovem a eficácia do banho de balde e este método passe a ser difundido como uma prática de saúde importantíssima para a relação mãe-bebê e para a saúde da criança, garantindo ainda mais a homeostase – equilíbrio- fisiológica para os nossos prematuros e um ambiente cada vez mais humanizado e atento às necessidades emocionais, sensoriais e motoras de nossos pequenos e grandes guerreiros e suas famílias. 

Agradeço especialmente a Fisioterapeuta Ana Cristina, as Enfermeiras Camila e Ana Luiza e a Médica Neonatologista e Diretora da UTI Neonatal do Hospital Albert Einstein, Dra. Romy. 

Um grande abraço, Teresa e Ana 

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta