Equipe Interdisciplinar em uma UTI Neonatal: a contribuição da fisioterapia respiratória

Olá a todos. É com imensa gratidão que recebemos a Fisioterapeuta Ana Cristina Yagui Okada em nossa equipe interdisciplinar, voltada para a prematuridade, bebês de risco e primeira infância. Ana Cris, como a chamamos, foi fundamental para mim e minha família, durante a internação de 6 meses de Maitê Maria em uma UTI Neonatal. Ela cuidou e tratou de minha guerreira de 23 semanas e 1 dia com todo amor, afeto e competência. Após a alta hospitalar, Ana Cris continuou dando todo suporte respiratório e motor ao longo do período de Home Care e durante os 2 anos de Maitê Maria. Sempre digo a Ana Cris que ela é a melhor fisioterapeuta que eu já conheci em toda a minha jornada como terapeuta ocupacional infantil e mãe de 2 prematuros.

Segue o primeiro Post de Ana Cristina para o site prematuros.com.br

Seja muito bem vinda!

Fisioterapia em recém nascido prematuro? Pois é. Muita gente nunca ouviu falar da atuação da fisioterapia respiratória dentro de uma UTINeonatal, principalmente quando pensamos em um recém nascido tão pequenininhoEntão vamos lá, a fisioterapia respiratória já se inicia lá na sala de parto para aqueles bebês com muito baixo peso (<1500g)assim que o bebê nasce e precisa de ajuda para respirar.


O bebê prematuro tem várias peculiaridades que diferem seu sistema respiratório ao de um bebê a termo, entre elas a deficiência de surfactante, substância que ajuda o pulmão a ventilar sem colapsar, esta substância começa a ser produzida na 23 semana de gestação e continua sua produção até depois do nascimento. Além da surfactante, o prematuro apresenta maior complacência do arcabouço torácico ósseo e músculos respiratórios pouco desenvolvidos que fadigam rapidamente.

Adicionalmente, as diferenças anatômicas de todo o sistema respiratório (ossos, vias aéreas, quantidade de alvéolos, inserção muscular) também não favorecem a respiração do prematuro e o levam ao desconforto respiratório precoce. Está ai a importância de iniciar tão cedo, muitas vezes logo após o nascimento a assistência ventilatória pela equipe médica (inclusive fisioterapia) que vai ser acompanhada por algum tempo dentro da UTI até que o bebê tenha autonomia para respirar sozinho. Entre os objetivos da fisioterapia respiratória, estão: instalar e adaptar a interface mais adequada de ventilação mecânica seja invasiva ou não invasiva no bebê, progredir o desmame ventilatório e até retirar com cuidados diários.

A fisioterapia acompanha a função respiratória do bebê em relação a sua expansão, higiene brônquica até que o bebê tenha sua função pulmonar restaurada e sua autonomia para respirar e não precise, ou precise de pouco auxílio para respirar (oxigênio suplementar por exemplo) até sua alta hospitalar.
Texto de @anacriszyo

Um grande abraço,Ana Cristina e equipe prematuros.com.br

ANA CRISTINA FAZENDO FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NA UTI NEONATAL


Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta