PREMATURIDADE E QUARENTENA

Olá queridas, que prazer poder escrever novamente para vocês! Estamos
passando por dias desafiadores, não? Esses dias de quarentena tem me feito
lembrar muito dos dias de repouso na gravidez. Por aqui, foram 6 semanas de
repouso absoluto dentro da minha casa e a lição que pensei ter aprendido
naquela época, tem sido revisitada diariamente.
Acho que já contei pra vocês que entrei em repouso absoluto quando estava com
20 semanas de gestação, né? No primeiro exame morfológico, por meio de um
ultrassom transvaginal (que nem mesmo tinha sido pedido pelo meu médico)
descobrimos que meu colo do útero estava com 0,5 centímetro de comprimento,
quando o normal seria ter, pelo menos, 4 centímetros. Estava então
diagnosticada minha Incompetência Ístimo Cervical – IIC, segundo meu médico
sem possibilidade de fazer a cerclagem, já que minha bolsa já estava protusa.
Assim, sai do hospital diretamente para meu quarto, mais precisamente minha
cama que teve seus pés levantados para tentar vencer a ação da gravidade e,
com raras saídas pra exames, por lá fiquei durante 6 semanas, quando entrei em
trabalho de parto.
Os primeiros dias foram os piores… quanto tempo vou ficar aqui? Meu bebê está
bem? O que eu vou fazer aqui? O dia não passa… Quanto tempo a bebê vai
aguentar aqui dentro? Será que meu colo continua diminuindo? Será que está
melhor? Será que esse pessário funciona? Que medo de ir ao banheiro…
Quantas inseguranças, quantas dúvidas, quantos medos, quantas perguntas.
Não são assim também os dias da quarentena? Quanto tempo isso vai durar?
Não posso mesmo sair de casa? Será que é tudo isso que estão falando? Não vou
poder ver meus pais? Vou ter que ficar sem faxineira e fazer tudo sozinha?
Criança dentro de apartamento o dia e por tempo indeterminado? Quantas
outras perguntas dessas te passaram e ainda passam pela cabeça? O que fazer
com tantas dúvidas?
Estamos em dias de muitas dúvidas e inseguranças e a principal lição que
aprendi em dias de repouso se aplica perfeitamente nesse novo cenário. Vamos
viver um dia de cada vez! Nos dias de repouso todas as vezes que me deixava
levar por tantas perguntas, dúvidas e incertezas, meu dia era péssimo, cheio de

choro e medo. Mas, nos dias em que eu me limitava a pensar nos desafios
daquele dia, o dia ia bem e cheio de paz. O fato é que nada que eu fizesse ou
pensasse poderia mudar a situação em si, mas mudava totalmente meu ânimo e,
por isso, a qualidade do meu dia.
O mesmo vale para os nossos dias de quarentena! Os tempos não são fáceis, os
desafios são enormes, não há nada que eu possa fazer ou pensar que vá mudar a
situação em si. A solução do coronavírus não está em minhas mãos. Mas, os
meus pensamentos e atitudes podem mudar completamente a qualidade do
meu dia e, consequentemente, da minha família.
Esse aprendizado não está em mim, a bíblia é que nos ensina no livro de Mateus
6.34 “Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se
preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal”.
A parte legal de ter passado pela prematuridade é esta. A prematuridade nos
molda, nos marca, nos ensina, nos fortalece e isso nós podemos levar para a
nossa vida toda!

Compartilhar:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta